SP a Pé http://spape.blogosfera.uol.com.br Dicas de lugares, roteiros, curiosidades sobre bairros, entrevistas com personagens da cidade, um pouquinho de arquitetura e mais experiências em São Paulo do ponto de vista de quem caminha Sun, 12 Jul 2020 01:09:14 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Guia Prato Firmeza #3: gastronomia e lazer para valorizar cada canto de SP http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/12/30/guia-prato-firmeza-3-gastronomia-e-lazer-para-valorizar-cada-canto-de-sp/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/12/30/guia-prato-firmeza-3-gastronomia-e-lazer-para-valorizar-cada-canto-de-sp/#respond Mon, 30 Dec 2019 11:00:20 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=2217

Um pequeno restaurante com caldos diversos e saborosos na zona sul (com destaque para o de abóbora com camarão), um armazém de orgânicos na Vila Pirajussara, aulas de dança com quitutes caseiros no Jardim Lourdes, um bar de espetinhos com sinuca em uma casa da Vila Aurora, diversos tipos de creme de cupuaçu para degustar assistindo a uma roda de coco no Taboão da Serra.

Em sua terceira edição, o Guia Prato Firmeza retorna com um convite: conhecer e valorizar locais que ficam escondidos por uma cobertura voltada ao centro e às áreas mais ricas, e perceber culturalmente os muitos bairros da cidade, entendendo comida como forma de socialização (o churrasco que faz parte da roda de samba, o yakissoba que é parada certa de quem frequenta a batalha de MCs), meio de reconhecimento e orgulho do que se produz em todas as partes da cidade.

São Paulo tem 96 distritos, mas quantos deles figuram com frequência nos guias culturais, com opções de restaurantes, bares, passeios?

“Cada Prato Firmeza teve um foco. O primeiro veio com a pauta base de chamar a atenção para a gastronomia na quebrada, o segundo teve foco na produção dos alimentos: qualidade, nível de processamento. Já nesse terceiro, houve um recorte mais voltado a lugares para ir com a família, espaços que podem receber crianças, animais, idosos, grupos grandes — e aí a gente entende família como qualquer configuração possível. E então encontramos esses lugares que têm teatro, cinema, dança, ocupação cultural, dub”, conta Guilherme Petro, produtor da edição.

O Prato Firmeza é uma iniciativa da escola e agência de jornalismo focada em jovens das periferias Énois, onde Guilherme — que também é gastrólogo — estudou. Foi finalista do Prêmio Jabuti em 2017 e é feito, cada um, por uma turma diferente que entra a cada ano (conheça aqui quem faz o guia). O produtor da terceira edição destaca a importância dessa renovação para o projeto. “A cada turma nova que entra são dez olhares, dez quebradas diferentes. Desde o primeiro livro, quarenta pessoas já passaram pela produção do guia. E é muito importante estar aberto aos questionamentos e às diferentes maneiras de construir que surgem”, diz.

Uma coisa que a gente sempre diz é que o Prato Firmeza tem como foco contar histórias. A comida é um meio para as narrativas. Não dar nota é uma escolha depois de estarmos muito bem embasados com o próprio jornalismo. A partir do momento que temos esse conhecimento, como podemos fazer do nosso jeito?

Além de ser um guia que estimula a conhecer mais a cidade, e a olhar as quebradas de maneira menos estereotipada, o Prato Firmeza é uma forma de valorizar bairros onde vive grande parte da população, a começar pelos seus repórteres. Não por acaso, a produção começa com um mapa afetivo de cada um. “As pessoas vão marcando lugares que tenham ligação com suas histórias, e aí já começa a surgir ‘a padaria na rua debaixo de casa onde eu como desde criança’, ‘um lugar que eu sempre levo alguém para conhecer’. A partir daí, começamos a ter um olhar mais atento, jornalístico sobre os lugares: quem é o dono dessa padaria? E começamos a entender se tem alguma história legal para ser contada”, conta Guilherme. “Quando você volta nesse estabelecimento com algo impresso com a história dele, você tem uma outra propriedade com aquela pessoa, região, e você passa a se apropriar mesmo de onde vive.”

A terceira edição tem um sumário por tipo de comida e rolê. Então tem pastel, açaí, hambúrguer, feijoada, restaurante vegetariano, caldos, churrasco, comida árabe. E roteiros com cinema, roda de samba, música ao vivo, sarau, dança de salão. Tudo caminhável, quando não junto. O mapeamento dos lugares também leva em conta sugestões recebidas nas redes sociais do projeto, armazenadas em um banco de dados. “A gente sempre ouve o que as pessoas indicam, porque não dá para estar em todos os lugares. E as melhores pessoas para indicar são as moradoras”, diz Guilherme.

O produtor conta também que o guia vem criando relações para além das páginas impressas. “Acho que hoje a gente se enxerga mais como um elo de ligação entre diferentes espaços, fomentando a ação e a economia”, diz. Na última edição da Feira Preta, algumas barracas de comida do evento na praça Dom Orione, Bexiga, eram de empreendedores mapeados pelo guia.

“Ao longo desses três livros, temos construídos uma rede de pessoas que cozinham e fazem uma gastronomia muito paulistana, porque as quebradas de São Paulo são muito diversas. Então como essa cultura de quebrada entra também nas comidas, no jeito que a gente se alimenta, nas histórias das pessoas”, reflete Guilherme.

O Prato Firmeza, mesmo para quem faz, é uma experiência geográfica: é gente do Grajaú indo para uma quebrada em Santana. As pessoas vão conhecendo novos territórios, e aí a gente vai entendendo como a cidade é muito maior, como cada quebrada tem as suas nuances, as pessoas são diferentes, então não dá para falar ‘na periferia é assim’, porque as periferias são diversas, e muito menos retratar um lugar específico da região central como se ele correspondesse a toda a cidade.

A gente falar sobre alimentação nas periferias e levar isso para uma pauta de cultura é ir em um contrafluxo de uma mídia que mostra as quebradas quando acontecem tragédias. E é uma bagagem que acho que está mais próxima da maior parte das pessoas, então você conversa com mais gente. São Paulo é complexa, plural, e acho muito louco alguém intitular a cidade como capital mundial da gastronomia sendo que só uma parte dela é coberta. É um título que pode ser real se a gente olhar a cidade como um todo: ver que em Parelheiros tem gente fazendo comida orgânica, que no extremo sul tem gente vendendo hambúrguer artesanal, que em Itaquera tem um movimento de comida vegetariana forte. Porque o centro expandido é um pedaço pequeno territorialmente, e muito menor socialmente falando“, diz o produtor.

A cidade de São Paulo tem 12 milhões de habitantes, sendo que 2 milhões deles — só cerca de 17% —  vivem na área central.

Quer aproveitar o recesso para conhecer lugares novos, bater perna e saborear comidas gostosas? O guia pode ser comprado aqui por R$ 20 [e tem promoção se comprar junto ao 2º número dele] e dá também para navegar por parte dele. No próximo ano, além da 4ª edição, vai rolar uma versão carioca do projeto.

LEIA MAIS:
Guia Prato Firmeza: a cidade descentralizada é mais bonita (e saborosa)

]]>
0
Atravessando o vão entre o trem e a plataforma http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/12/17/atravessando-o-vao-entre-o-trem-e-a-plataforma/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/12/17/atravessando-o-vao-entre-o-trem-e-a-plataforma/#respond Tue, 17 Dec 2019 11:00:53 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=2178

Arte: mzk68.tumblr.com

Fiquei pensando nesses dias sobre como minha visão de cidade foi afetada, na infância e na adolescência, pelo uso do trem. Linha Rubi, antiga Marrom, para lá e para cá. Ir para a cidade comprar coisa, prestar vestibular, ir ao cinema, ver show…

Nesse caminho, tinha o que acontecia da janela para fora e o que acontecia da janela para dentro. Dois mundos que ora se comunicavam, ora indicavam um rompimento, uma aparente falta de relação que se relaciona totalmente. Tinha fábrica, natureza, favela, condomínio fechado, campo de futebol de várzea, vila operária, pichação no muro em volta do trilho, estação ao estilo inglês (oriundo da São Paulo Railway), córrego, bombs no vagão velho estacionado, capela, Fundação Casa, casarão com piscina, pedreira, prédios novos. Da janela para lá.

Da janela para dentro, era a banha do peixe boi, a estudante do ensino técnico, o surfista de trem, o nerd com a sua HQ, a coxinha quentinha comercializada dentro do isopor, o engravatado em seu primeiro emprego, a mulher cheia de sacolas indo visitar o marido encarcerado, a gente “de bem, apressada, católica, lendo jornal, satisfeita, hipócrita, com raiva por dentro, a caminho do centro”. Hoje ando menos de trem, mas nas cinco ou seis vezes mensais em que estou na Rubi, vejo slime, bala de coco, pastor, MC fazendo rimas, gente muito jovem vendendo produtos e uma quantidade imensa de mulheres ambulantes (marreteiras), como não havia nos anos 1990. Vejo a cena da mulher visitando o marido encarcerado se repetir. Guarda tomando mercadoria eu sempre vi — e sei que hoje vem havendo bastante repressão. Sempre percebi também que, para maioria do pessoal que usa o trem, “deixa o sujeito trabalhar”.

Já da janela do carro quando eu ia “pra cidade” com meu pai, o espaço urbano se desenhava pela rodovia, pelas obras, pelos carros e caminhões. Era uma cidade mais achatada, vamos dizer assim. Hoje, lembrando disso tudo, acho que a forma como a gente se locomove ajuda a construir nossa própria ideia de cidade. Andando de trem, parte do meu imaginário de São Paulo consistia nessas tantas coisas que falei e em outras tantas que com certeza esqueci.

Evidente que tem dias em que o conforto de um carro diante da superlotação de um trem em horário de pico represente o melhor dos mundos. Mas melhorias em um sistema que atende a maioria da população me parecem a chave para que esse desconforto diminua e não faça a gente buscar fugir dele a qualquer custo, independente se temos carro ou não.

Especialistas falam que quando a gente discute mobilidade a pé, ruas caminháveis e uma cidade mais legal para pedestres, a gente está falando também de transporte público, porque mobilidade ativa envolve isso também, tem a ver com direito à cidade. Penso que se locomover dividindo o espaço com uma galera tem ainda função social: expor as contradições e tensões, criar laços.

Já ouviu falar de festas de aniversário no busão? Ou de grupos de Whatsapp com o pessoal que pega uma mesma linha? Uma amiga carioca me contou. Rolos que só existem ali dentro ou que extrapolam a fronteira do vão entre o trem e a plataforma? Irmandade entre mulheres que se juntam para se proteger de assédio? Isso tudo existe e acho que é a cidade que, aos trancos e barrancos, em algum momento anda junta.

]]>
0
A cidade como campo de estudos: livro compila pesquisas sobre SP http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/12/09/livro-reune-pesquisas-sobre-sp-em-abordagem-critica-da-historia-urbana/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/12/09/livro-reune-pesquisas-sobre-sp-em-abordagem-critica-da-historia-urbana/#respond Mon, 09 Dec 2019 20:04:12 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=2157

Capa de Mateus Rosada

Você sabia que, antes do Playcenter, havia um parque chamado Shangai na região da baixada do Glicério, lugar em que muitas crianças e adolescentes da década de 1950 iam? E que o Campos Elíseos, apesar de construído para a elite, tinha também casas de operários e era um território de disputa imobiliária desde seus primórdios? Sabia que existe uma vila de estilo pretensamente holandês no Alto de Santana, o Jardim Dona Rosa?

Esses são alguns dos assuntos abordados no recém-lançado livro “A Cidade Interpretada”, organizado por Diógenes Sousa e Fernando Atique. A publicação editada pela Unifesp traz uma seleção de artigos escritos a partir de pesquisas de integrantes de um grupo de estudos coordenado por Atique na universidade, o CAPPH.

Traz, além dos temas mencionados, textos sobre sírios-libaneses em São Paulo, sobre a influência de uma cervejaria — a Antarctica — no lazer paulistano, sobre o papel simbólico de “criar cultura” do MASP, sobre o personagem de Ramos de Azevedo e seu escritório de engenharia, aborda as memórias de um casarão fixado no imaginário popular em Itaquera.

Assuntos que podem parecer a princípio distantes mas que, com o decorrer da leitura, vão compondo caminhos que soam recorrentes no entendimento da urbanização paulistana (e dos arredores): as migrações, a especulação imobiliária, a interferência privada na esfera pública, o operariado, a segmentação social e racial, o assistencialismo, as relações de poder traduzidas na arquitetura.

“Essa seleção do livro foi quase um processo natural de pesquisas que se coadunaram para um tema maior”, conta Diógenes. “Conforme a gente vai avançando, vai enxergando melhor os entrecruzamentos”, diz Renata Geraissati, coautora. Ambos são historiadores.

Por ser uma pesquisa sobre a história da cidade, acaba sendo algo muito vivo – Renata Geraissati, historiadora

Diógenes escreve sobre a influência da Companhia Antarctica Paulista (hoje parte do Grupo Ambev) no urbanismo de São Paulo a partir de pesquisas prévias feitas na gradução e no mestrado, buscando entender como um patrimônio industrial se cola ao imaginário de lazer de uma época para determinada população, e interfere diretamente no desenho da cidade.

“O estádio foi um dos primeiros equipamentos urbanos que a companhia criou — primeiro para o usufruto dos seus funcionários, e já com o advento do futebol, para alugar para os primeiros clubes, no sentido de promover mais o consumo da cerveja na cidade”, diz ele. “Depois, a Antarctica foi construindo outros equipamentos urbanos, como o Bosque da Saúde, salas de teatro e cinema no centro, obras de assistencialismo como hospitais (o Hospital Alemão que vira Oswaldo Cruz, o Santa Helena), escolas técnicas, principalmente para qualificar a mão de obra”, explica Diógenes.

Já Renata escreve sobre a presença sírio-libanesa em São Paulo por meio de um estudo sobre o empresário Rizkallah Jorge Tahan, analisando a influência tanto material na cidade quanto no âmbito identitário da comunidade imigrante em questão. Rizkallah fundou há 121 anos a Casa da Boia, na região da 25 de março. “Ele aproveitou de um momento em que a cidade estava em crescimento, fornecendo material ou alugando espaços. Venho agora pesquisando como foi a recepção dessa comunidade na capital paulista: como as leis, a cidadania eram pensadas nesse contexto”, conta.

É na centenária loja de cobre, hoje também centro cultural, que nos encontramos para conversar sobre o livro. Ela me conta que o acesso ao acervo da empresa permitiu que sua pesquisa ganhasse corpo, muito por meio da análise dos livros caixa. Já Diógenes explica que foi um acervo privado com dois volumes datilografados registrando 30 anos na vida de um funcionário da Antarctica, doado ao Movimento Cultural Penha, que permitiu que ele se aprofundasse nas histórias da cervejaria.

O que mostra como a história da cidade pode ser acessada, lida, interpretada não só a partir dos grandes feitos e figurões, mas de fragmentos, dia a dia, personagens chamados comuns.

O livro “Interpretando a Cidade” tem 156 páginas e coautoria de Carlos Thaniel Moura, Diógenes Sousa, Hennan Gessi, Lucas Florêncio Costa, Luís Fernando Simões Moraes, Luís Gustavo Pereira Ferreira, Michele Dias, Rafael Conti, Paola Pascoal, Raissa Campos Marcondes e Renata Geraissati Castro de Almeida. Pode ser baixado gratuitamente aqui –> http://bit.ly/2E2EzZy

]]>
0
Baile é espaço social urbano e ataque também é simbólico, diz pesquisador http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/12/03/baile-e-espaco-social-urbano-e-ataque-tambem-e-simbolico-diz-pesquisador/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/12/03/baile-e-espaco-social-urbano-e-ataque-tambem-e-simbolico-diz-pesquisador/#respond Tue, 03 Dec 2019 20:38:26 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=2104

Paraisópolis. Foto: Lalo de Almeida / Folhapress

“Eu entendo o baile funk como uma estrutura social mesmo. Porque tem o lance da roupa, do tênis, do corte de cabelo, do jeito de andar e de falar, do que você vai consumir, da forma como se porta, então ele é uma estrutura social muito complexa. E esse específico de Paraisópolis é uma estrutura mais avançada: está nas músicas, no imaginário. Qualquer adolescente que gosta de funk quer ir nesse baile. Quando eu fui na Bahia eu fui para Itapuã, ali foi o meu baile: está no meu imaginário criado pelas músicas do Dorival Caymmi. Então quando a polícia ataca esse local, além de tudo é uma violência simbólica“, diz o pesquisador Valdemar Santos, professor de história e arte e músico instrumentista.

“Pessoa preta moradora de periferia”, como se define, Valdemar vem estudando o funk dentro da universidade desde 2012. Aluno da Escolas de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), na mesma região em que vive — ele é criado e residente no Itaim Paulista –, o pesquisador tenta entender os “discursos de veto” ao funk paulista na mídia impressa. Na graduação em história, questionou por que esta manifestação cultural está constantemente “sob suspeita”. O paulistano dá aulas também na Fundação Casa na periferia leste da cidade, no Encosta Norte.

Para Valdemar, há uma série de discursos midiáticos que, nas entrelinhas, constrõem uma atmosfera social permissiva a ações policiais como a ocorrida no Baile da DZ7. No último fim de semana, uma operação da PM na festa resultou na morte de nove jovens periféricos (Bruno Gabriel dos Santos, 22; Denys Henrique Quirino da Silva, 16; Dennys Guilherme dos Santos Franca, 16; Eduardo Silva, 21; Gabriel Rogério de Moraes, 20; Gustavo Cruz Xavier, 14; Luara Victoria de Oliveira, 18; Marcos Paulo Oliveira dos Santos, 16; e Mateus dos Santos Costa, 23). Os atestados de óbito apontam asfixia e trauma na medula como “causa mortis” e a cena do crime foi alterada, informou o UOL nesta terça-feira (3). A versão inicial sustentada pela polícia era de que os jovens haviam morrido pisoteados ao fim do baile.

Tem esse discurso de veto na imprensa e tem o modelo jurídico, construído por meio das leis, que é o projeto do Estado de combater os bailes funk. Isso eu chamo de veto explícito a partir do Legislativo. Para discutir o assunto, uso o conceito do intelectual camaronês Achille Mbembe de necropolítica, a política de morte que parte não só do Estado, mas de qualquer grupo que tenha armamento com a soberania de dizer quem vive e quem morre”, diz ele.

“Esses discursos de veto, como eu chamo, têm a ver com território, que é o território periférico, e com raça. São espaços de maioria preta, e quando tem pessoas brancas são brancos pobres. Tem a questão racial e de classe”, diz ele. “A primeira reportagem que eu vi sobre o caso, antes de aparecerem os registros em vídeo [com policiais agredindo jovens já rendidos], por exemplo, comprava a versão do Estado”, diz, mencionando o racismo estrutural envolvido nesse processo.

O pesquisador Valdemar Santos

Enquanto os territórios são criminalizados por esses discursos, os sons reforçam uma identidade geográfica. “Se você observar as músicas do funk, elas mapeiam os lugares, os bailes: Marcone na zona norte, Helipa (Heliópolis), Pantanal (no Jardim Pantanal, na zona leste)”, diz ele. “O baile do Pantanal fica encurralado, porque em uma das entradas dele em São Miguel Paulista você tem de passar por baixo da linha do trem, e quando a polícia vai, fecha as entradas com viaturas. Quando começa a atacar é aquilo: o jovem sai correndo pelas ruas perdido, porque às vezes nem conhece a comunidade“, conta. Moradores de Paraisópolis revelam rotina de abuso policial, e uma busca no noticiário dos últimos dois anos mostra como ações violentas da PM foram frequentes (só em 2019, o Baile da DZ7 sofreu 45 ações de repressão).

Valdemar entende os bailes como espaços sociais que podem reunir gente de lugares variados, pessoas de quebradas (e não só) diversas. De acordo com a União dos Moradores e Comércio de Paraisópolis, 80% do público do fluxo vem de fora do bairro. Muitas reportagens lembraram ainda que as periferias são pouco assistidas com ofertas de lazer e cultura — o Mapa da Desigualdade lançado neste ano pela ONG Rede Nossa São Paulo mostra que a Vila Andrade, onde fica Paraisópolis, não tem nenhuma sala de shows, por exemplo.

Para o pesquisador, há uma falta de compreensão da realidade periférica. “Falta dialogar com as pessoas no espaço em que elas moram. Quem faz isso, por incrível que pareça, é a igreja evangélica, o que desemboca em desastres como a eleição do Bolsonaro — e as pessoas também não entendem isso. Não existe solução imediata. A partir desses diálogos, pode-se criar espaços culturais. É muito difícil uma dessas favelas ter um campinho, e aí quando tem é um que parece do Real Madrid, e quem banca? É o traficante, e se alguém jogar uma coisa ali ‘vai pro debate’. E aí sim, tem o lazer, o clube, o juiz, a trave perfeita. Já as igrejas têm os cultos, ensaios, festas”, diz ele.

“A única coisa que o Estado manda pra esses territórios é a polícia ou a cobrança de imposto. Então quando a polícia vai, por mais bem intencionada que esteja, a população já vai hostilizar. Eu mesmo não fico à vontade se estiver vindo 2h da manhã de moto, minha locomoção atual, para casa e encontrar uma viatura: eu abro o capacete, deixo as duas mãos no guidão, porque qualquer reação pode ser entendida como um ataque.”

Criar mais opções e acessos, no entanto, não reduz a importância da cultura do baile autogestionado, acredita o pesquisador. Essa reportagem fala sobre como os fluxos movimentam o lazer e a economia das quebradas, e também expõe as divergências entre moradores, importantes de serem debatidas fora de uma esfera repressora. No mesmo texto, uma frequentadora, Melissa Santana, diz que o baile “não é apenas uma forma de lazer para quem não possui condições”, mas “uma forma de aceitação de onde você mora”.

Paraisópolis, que já foi palco de novela global, é a segunda maior favela de São Paulo em termos habitacionais. Abriga um projeto chamado Circuito das Artes de Paraisópolis, voltado para o turismo e geração de renda local, e no último dia 23 de novembro recebeu o G10 das Favelas, evento com foco no empreendedorismo e negócios de impacto social.

Nesta quarta e no próximo dia 14 estão marcados atos cobrando a responsabilização do Estado pelo massacre em Paraisópolis. Enquanto isso, o governador do Estado, João Doria, negou culpa da PM e disse que policiais “serão preservados”.

]]>
0
Caminhar em grupo amplia ou estreita o horizonte urbano? http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/11/25/caminhar-em-grupo-amplia-ou-estreita-o-horizonte-urbano/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/11/25/caminhar-em-grupo-amplia-ou-estreita-o-horizonte-urbano/#respond Mon, 25 Nov 2019 13:42:06 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=2081

Sempre fui de caminhar muito sozinha, então confesso que demorei a participar de caminhadas que hoje acontecem com frequência não só para turistas, mas para moradores saberem mais da história urbana, discutirem a formação do espaço — como vêm ocorrendo roteiros fundamentais nesse mês. Andar junto a uma galera era praticamente o oposto do que eu mais gostava sobre estar a pé na cidade: ter autonomia, escapar por uma rua que não havia previsto, parar em um mercadinho qualquer, me misturar no fluxo da multidão, descobrir paisagens novas.

No entanto, no último ano tenho feito diversas caminhadas com amigos e também com grupos de pesquisadores de áreas variadas que têm me mostrado um outro lado de estar com uma galera, a pé, em uma cidade pouco amigável para o pedestre.

Em primeiro lugar, é isso: você está com um povo todo na rua, o que dá uma força coletiva até mesmo quando vai atravessar na faixa e os carros, que fosse apenas você seguiriam em frente, são obrigados a parar. É quase como se esse novo corpo criado conseguisse enfrentá-los melhor.

Em segundo, se andando sozinha você ganha certa invisibilidade e independência, andando em grupo você ganha outros pontos de vista, outras percepções, ainda mais se esse grupo for plural. A cidade de São Paulo, com sua estrutura segregadora, não impacta todo mundo do mesmo jeito, e embora esse assunto esteja hoje mais em pauta, nem sempre a gente reflete sobre ele no nosso dia a dia — especialmente se estivermos cobertos de privilégios facilitadores de acessos.

Se esses roteiros organizados com dez, quinze pessoas que não se conhecem direito ainda te parecem uma bolha em que as pessoas estão isoladas pouco se afetando pela cidade, o que de fato pode ocorrer, vale chamar amigos para dar um rolê a pé. Encontrar-se para ir a algum lugar a uma distância caminhável (que conjugue tempo e infraestrutura) em que iriam, só que não de ônibus, metrô ou carro, mas andando.

Muitas vezes em que fiz isso, percebi que o próprio trajeto se tornava parte essencial do programa, com descobertas no caminho, detalhes e situações que dispararam conversas. Teve também ocasiões em que, de fato, apenas o trajeto foi o programa, o que os viciados em andar a pé entenderão. Na verdade, basta pensar: por que fazemos isso quando viajamos, e não onde vivemos?

Muita gente fala: mas demora muito mais tempo. Ou é cansativo. Nem sempre, levando em conta o trânsito, o transporte lotado nos horários de pico. Se não houver pressa para chegar, não é preciso correr, o que a gente até esquece, já que a rotina da cidade impõe um ritmo acelerado a todos. No sábado e no domingo, ainda é preciso correr?

E ganhar espaço, sentir a cidade no pé, vale sempre a pena, mesmo quando a cidade é complexa, cheia de obstáculos e desigualdades. Aliás, justamente para entender essa complexidade caminhar ajuda — uma pena que quem saiba melhor dela ande a pé não por escolha, mas falta de opção, enquanto quem a ignore e precisaria conhecê-la esteja tão longe da experiência da rua.

]]>
0
Roteiros abordam memória e resistência negras em bairros de São Paulo http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/11/20/roteiros-abordam-memoria-negra-da-cidade-de-sao-paulo/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/11/20/roteiros-abordam-memoria-negra-da-cidade-de-sao-paulo/#respond Wed, 20 Nov 2019 15:14:14 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=2059

A porta-bandeira Cleusa Carlos Vaz e o mestre-sala Sérgio Neris Ferreira dos Santos (Serginho) comemoram o título do Vai-Vai em 1986; um roteiro parte da quadra da escola de samba para falar da memória negra do Bexiga | Foto: Silvestre P. Silva – 14.fev.1986/Folhapress

No mês da Consciência Negra, cujo dia (20 de novembro) lembra a luta de Zumbi dos Palmares, a cidade de São Paulo tem uma série de roteiros que buscam refletir sobre a memória negra — apagada, deslocada ou invisibilizada — de bairros da cidade, em especial da região central.

No próximo sábado, dia 23, dois roteiros percorrem o Bexiga mostrando que nem tudo é italiano: antes da chegada desses imigrantes, a região já era ocupada pela população negra, e a herança afro ainda pode ser vista em diversas partes dela, hoje também um território nordestino. Um dos percursos é realizado pela Feira Preta em parceria com o Diáspora Black, o outro pelo Instituto Bixiga de Pesquisa, Formação e Cultura Popular.

No mesmo dia, na zona sul da cidade, um encontro no Centro de Culturas Negras do Jabaquara “Mãe Sylvia de Oxalá”, território onde ficava o antigo Sítio da Ressaca — espécie de “quilombo de passagem”, ponto de parada de escravizados e escravizadas na rota para o Quilombo do Jabaquara, em Santos, há mais de 400 anos — aborda os territórios negros da região e a ideia de patrimônio.

No Largo São Francisco, a Igreja das Chagas do Seráfico Pai Francisco, à direita, cuja fachada foi talhada pelo arquiteto Tebas, tema de um dos roteiros de memória negra na cidade | Foto: Dário Oliveira / Folhapress

Já no dia 26, terça-feira, à partir das 19h uma caminhada discute a história do arquiteto Joaquim Pinto de Oliveira Tebas (1721-1811), homem negro, protagonista da produção social do triângulo histórico de São Paulo. O percurso tem mediação do escritor, jornalista e pesquisador José Abílio Ferreira e parte da Igreja da Boa Morte, na região da Sé.

No dia 30, último sábado do mês, o coletivo Cartografia Negra realiza mais uma edição da Volta Negra, caminhando por alguns pontos relacionados à vivência da população negra na região central no século 19, como a atual praça da Liberdade e o Largo da Memória. “Esses lugares são semelhantes ao que foram os campos de concentração nazistas. Porém, não são demarcados. Além disso, também caminharemos por espaços de resistência da comunidade negra da época”, explica descritivo do evento.

Conheça abaixo também outros coletivos que vêm trabalhando, em roteiros a pé pela cidade, com memória e identidade, atentando para os apagamentos (ou tentativas de apagamentos), as tensões e a multiplicidade de narrativas do espaço urbano. 

História da Disputa: Pesquisa e vivência para debater história na rua
Ururay: Por memória diversa, grupo pesquisa e divulga patrimônio da ZL
Passeando pelas Ruas: Um jogo que incentiva olhar amplo sobre SP
Caminhada das Quebradas: Conhecendo o macro e o micro
Crônicas Urbanas: Guia mapeia experiência negra em SP

]]>
0
Grupo une pesquisa e vivência para debater história na rua http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/11/11/grupo-une-pesquisa-e-vivencia-para-debater-historia-na-rua/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/11/11/grupo-une-pesquisa-e-vivencia-para-debater-historia-na-rua/#respond Mon, 11 Nov 2019 17:22:28 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=2000

Conversa após rolê no sábado (9/11/2019) | Foto: História da Disputa: Disputa da História

“Reparem nos corpos que estavam circulando lá em cima, reparem na circulação aqui embaixo, nas pessoas, no que elas estão fazendo”, diz a historiadora Caróu Oliveira, enquanto se desloca em direção ao Glicério com um grupo que se encontrou na tarde do último sábado no metrô Liberdade para uma caminhada conversando sobre a cidade.

Caróu é parte do coletivo História da Disputa: Disputa da História, que nos últimos quatro anos vêm realizando debates itinerantes, como eles chamam rolês como o de sábado. “Nossa metodologia parte da nossa experiência sensível, e da experiência sensível das pessoas, para discutir a cidade”, explica. “A gente começou mais conteudistas, e na discussão com as pessoas foi percebendo que a paisagem transforma também a memória, porque São Paulo não tem lastro de memória que não esteja ligado a arquitetura, e por vezes derrubam um prédio e depois de anos a gente não lembra mais do que estava ali, então você tem uma experiência de memória na sua vivência que conta a história da cidade, onde é possível fazer essa escavação. E foi na nossa experiência e na dos outros que a gente começou a desenvolver o debate itinerante, que é investigar a cidade a partir de referências historiográficas, levantamento iconográfico, estatístico, mas mobilizando como material para falar sobre território as memórias e experiências das pessoas”, diz ela.

O primeiro rolê que o grupo fez, em 2016, foi influenciado pela vivência deles na região da Luz. “Nós trabalhávamos na Sala São Paulo, a gente fazia monitoria naquele edifício do século 20, luxuoso, nos Campos Elísios, e ali a gente retomava a história daquele bairro, um projeto do século 19, para chegar no presente. No entanto, saindo para almoçar ou no caminho de casa a gente percebia uma contradição muito grande entre aqueles projetos de São Paulo e o projeto recente de retomar o bairro como centro das artes, e o que de fato estava acontecendo na rua. Isso foi muito importante para pensar o espaço”, conta o historiador Lucas Sanches.

“E a gente escolheu a Luz por causa da disputa da cracolândia, a disputa de território que está lá agora, então a gente foi para um roteiro histórico, mas partindo de uma observação de hoje”, explica Caróu. “Nossa ideia é sempre trazer a discussão acerca das narrativas que a historiografia consagrou sobre a cidade, mas a fim de tentar entender as mudanças de atualmente“, completa Victor Oliveira, também historiador.

Outra inspiração para os rolês foi o trabalho da jornalista Sabrina Duran com o Arquitetura da Gentrificação, investigação sobre as relações entre poder público e empresas privadas do setor de construção civil e do ramo imobiliário no centro de São Paulo entre 2005 e 2012, abordando as medidas higienistas das administrações municipais no período.

No debate itinerante do último sábado, a pergunta que chamava para o evento era “como falar de um patrimônio que não existe?”. “Tem um monte de coisas que a gente consegue ver, mas tem coisas que aconteceram e a gente não consegue ver. Os escravizados e escravizadas não deixaram patrimônio, então como ficou a presença deles no território para discuti-la? Como observar a cidade como um arquivo?“, questiona Caróu.

O rolê parte do Largo da Forca, hoje Praça da Liberdade, local de enforcamentos no século 19 — a história do soldado negro Chaguinhas é a mais notória –, e termina na Igreja da Boa Morte, na Sé, construção com mais de 200 anos onde os condenados faziam sua última oração. Nas três horas de trajeto, a arquitetura se faz presente, mas o convite é para pensar na relação dela com as pessoas e nas sociabilidades que se dão nos espaços. Na relação entre esses locais de punição de tempos atrás, por exemplo, e a presença hoje do 1º Distrito Policial na rua da Glória. Como entender a atualidade a partir de “um contínuo histórico”, coloca Victor.

Já entrando na região do Glicério, Caróu atenta. “A gente está a poucos metros da praça, mas olha como a paisagem muda”, diz ela, ao som de um rap nacional que vem de um carro estacionado. Enquanto nosso grupo conversa em uma esquina, da varanda de uma casa um homem observa. Caróu fala sobre como nossa presença chama a atenção. “É uma parte da proposta estimular essas percepções que as pessoas têm da rua. E acho que tem uma coisa que é uma crítica ao modelo turístico que muitas vezes é um grupo em uma bolha, então a ideia é que as pessoas afetem e sejam afetadas mesmo“, diz Victor.

“O tempo todo acontecem aventuras nos nossos rolês e elas fazem parte deles: então tem os moradores de rua, às vezes a gente não consegue passar pelos lugares. Teve uma vez na [avenida] Paulista que estava tendo rolezinho na [rua] Augusta e a gente não conseguiu atravessar. A gente estava discutindo apropriação da Paulista por outros grupos que não eram os grandes bancos, então a experiência estava acontecendo no corpo, e às vezes acontecer no nível sensível do corpo faz mais sentido do que no nível discursivo“, diz Caróu.

Existe uma estratégia de desmerecimento desse tipo de relação [mais subjetiva], e reforça-se essa ideia de que o relacionamento para além do prático na cidade é ou de desejo ou de consumo”, diz Victor. “E esvazia-se percepções que por vezes são as únicas apropriações da cidade que alguns grupos têm”, completa a historiadora. 

“A gente tenta pensar em percursos e propostas um pouco incômodos, para ninguém ficar confortável no lugar. Passar por becos e vielas, por lugares sujos, escuros e feios, porque as pessoas não passam por eles e nem sabem que eles existem no centro”, fala Caróu. Metros abaixo, em frente à Igreja de Nossa Senhora da Paz, que realiza um trabalho com refugiados, o grupo que estamos vai destoando mais: cor da pele da maioria (branca), jeito de se vestir, comportamento (parar para conversar em coletivo). Impossível não pensar nisso tudo.

No percurso “de cima da colina onde foi fundada a cidade de São Paulo” em direção à Baixada do Glicério, passamos pela casa onde nasceu escola de samba mais antiga de São Paulo, a Lavapés (abaixo, registro de ensaio de 2017), fundada por uma mulher negra, Madrinha Eunice, e que ainda ensaia nas ruas do bairro. Não há, no entanto, placa nem fachada histórica (lembrando Geraldo Filme em sua composição sobre Pato N’água, lendário mestre de bateria do Vai-Vai assassinado pelo esquadrão da morte em 1967, “não tem placa de bronze, não fica na história”) — o grupo sabe da informação por meio de uma conversa que teve com a atual presidenta da agremiação, Rosemeire Marcondes, neta da fundadora.

O debate também passa por uma ausência que se faz bastante presente em São Paulo: os rios. Estamos caminhando em direção à várzea do Tamanduateí. Do alto, na região da praça, era onde se tinha a vista, bem como os espaços de tortura e os casarões. De baixo, a várzea, as lavadeiras, populações pobres. O que temos hoje?

Terminado o percurso, retorna a questão sobre patrimônio. Ao escrever esse texto, fiquei rememorando o caminho, que mesmo circulando por ali diversas vezes nunca fiz igual. Lembrei das cores do prédio da EMEF Duque de Caxias, lembrei da academia na sobreloja de uma galeria comercial na Baixada, lembrei dos cartazes de shows de artistas de forró e sertanejo, lembrei da pichação de orgulho do Glicério cortando a Radial, lembrei do barulho do peixe empanado fritando e da cor das bananas da terra cortadas no carrinho de um ambulante provavelmente haitiano em frente à Igreja da Paz…

Uma coisa que a gente foi percebendo é que se você experiencia a cidade, se você está na rua e presta atenção nela, vai ver que quem está fazendo ela acontecer não são os personagens hegemônicos que estão nos livros. O rito da gente trazer isso pro debate é tentar entender como esses personagens se apresentam desde a fundação da cidade pelos europeus, e desde as populações nativas que conviveram com eles desde o primeiro momento, e de como isso é um contínuo”, diz Victor.

“Isso nos leva a pensar essa perspectiva da história a partir de baixo, porque a história sistematizada, que o Mercadão conta a partir da sua arquitetura, é de cima para baixo, do projeto arquitetônico, urbanístico. Mas quem subiu as pedras, quem limpa, planta as verduras, não está nessa história. Então onde a gente consegue achar, escavar os documentos, as presenças de quem ‘foi vencido’, como [o filósofo alemão Walter] Benjamin diz. E aí a gente volta pra coisa da experiência. Ao confrontar a experiência e a memória das pessoas com a arquitetura, a historiografia oficial, a gente vai encontrando essas contradições das quais é feita a cidade. Algumas coisas convergem, outras divergem, e a partir daí a gente vai trabalhando“, conta Caróu.

Quem escreveu, quando escreveu, não existe verdade oficial, não existiu versão única da história, não pode haver uma memória só da cidade, porque ela é totalmente plural, misturada e caótica. Então o fato de ser um debate itinerante é justamente para que possa haver discordância – Caróu Oliveira

“A gente diverge inclusive entre a gente, porque história é isso. E a gente foi virando a História da Disputa: Disputa da História porque a gente quer historicizar a história da cidade, que é uma história de disputa, e disputar a história que se conta, fazendo isso no nosso ofício”, diz Caróu.

Tanto abrir espaço para divergências quanto levar em conta informações muito difundidas, porém com erros, é parte do processo. “As informações historicamente erradas são tão importantes de serem debatidas quanto o referendado pela historiografia, porque elas vêm de algum lugar e servem a algum propósito. Então faz-se a crítica — e como a história da cidade tem um espectro afetivo, as pessoas têm uma série de motivos pessoais para concordar ou discordar de coisas estabelecidas como fatos —, mas essas informações são igualmente importantes de serem discutidas se a gente quiser debater de forma ativa”, diz Victor.

Nos quatro últimos anos, o grupo fez curadoria para o Memorial da Resistência sobre as margens do rio Tamanduateí, uma residência no mesmo local acerca de espaços de repressão e resistência, conversas no CCSP envolvendo moda, e agora realiza uma série de debates itinerantes dentro da programação paralela à exposição Meta Arquivo, no Sesc Belenzinho, após encontros discutindo a própria ideia de arquivo. Para quem se interessou, o próximo é no dia 16 de novembro com o tema “Como observar no tecido urbano memórias que não foram arquivadas?” (mais informações aqui).

LEIA MAIS
Por uma memória diversa, grupo pesquisa e divulga patrimônio da ZL
Guia mapeia experiências e territórios negros no centro de São Paulo
Coletivo busca mostrar como toda a cidade é permeada de histórias

]]>
0
Lembrando quem nos ensinou a andar pela cidade http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/10/28/lembrando-quem-nos-ensinou-a-andar-pela-cidade/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/10/28/lembrando-quem-nos-ensinou-a-andar-pela-cidade/#respond Mon, 28 Oct 2019 13:48:31 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=1935

Um amigo carioca comentou esses dias sobre o apreço que ele tem por certo bairro paulistano, e lembrou de quando ele vivia na cidade e foi parar pela primeira vez no lugar: a rua que virou, o boteco em que parou, o que viu ali. “Me senti muito à vontade”.

Essa memória que a gente carrega dos cantos da cidade, que faz a gente enxergar os lugares cada qual de um jeito, vinculando uma arte em um muro a um momento da vida, uma dama da noite que perfuma um pedaço “feio” da via ao pensamento sobre algo melhor, uma composição de João Nogueira que nos emociona a uma cena de rua que o cérebro — cheio de nuances e subjetividades — registrou, essa memória sempre foi, para mim, uma maneira potente de reconhecer o que a cidade faz da gente e o que a gente faz dela.

É um jeito que me parece também muito bonito de lembrar quem nos ensinou a buscar sentido nesse emaranhado de paisagens, histórias, climas, sensações. Reconhecê-los. Toda vez que pego um trem, eu me lembro de, menina, ir fazer compras na Lapa com a minha avó. O sabor do Sonho de Valsa, por exemplo, não tem quem mude: sempre estará vinculado à promoção das lojas Americanas que a dona Holanda não perdia. A Lapa, por consequência, é território dela, da descida do trem até o comércio cheio na rua, passando pela sacolinha da Sumirê.

Já quando caminho na natureza, seja em qualquer área verde que sobreviva no espaço urbano, tenho outro guia. Quem me leva pelo braço é meu pai, insistindo que dá para descer aquela rampa (por mais íngreme que, em uma primeira vista, ela pareça), que se a gente for por determinado caminho a vista lá do alto vai ser linda, que a aventura urbana de estar junto na cidade é a melhor herança que se pode deixar.

Sinto que esses primeiros passos que a gente guarda na memória vão moldando quem somos, e também guiando a gente em todos os primeiros passos ao longo da vida. Nos educando para entender onde pisamos, para despertar sentidos e atenções, da primeira visita a um bairro ao primeiro olhar sobre uma cidade pela qual a gente acaba de se encantar — uma das minhas sensações favoritas. Aquilo que meu amigo se recordava bem sobre a São Paulo que é, também, um pedacinho dele.

]]>
0
Caminhar pelo centro de São Paulo para discutir direito à cidade http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/10/23/caminhar-pelo-centro-de-sao-paulo-para-discutir-direito-a-cidade/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/10/23/caminhar-pelo-centro-de-sao-paulo-para-discutir-direito-a-cidade/#respond Wed, 23 Oct 2019 13:59:48 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=1902

Arte: Instituto Pólis

Na manhã do próximo dia 31 de outubro, quinta-feira, ocorrem em São Paulo três caminhadas organizadas pela ONG Instituto Pólis para falar sobre direito ao espaço urbano. Os trajetos percorrem a região central, então é uma oportunidade para refletir sobre os desafios para uma cidade mais igualitária e também sobre o que entendemos como centro, o que essa localização simboliza e quais são os interesses que a envolvem ao longo da história.

São roteiros pensados por grupos que atuam em diferentes frentes. Há uma caminhada com o coletivo Cartografia Negra, atuante desde 2017, propondo uma reflexão sobre a vivência da população negra na cidade.

Eu sempre gostei de andar muito pelo centro, de ir a museus e cinemas, que estão mais concentrados nessa área, e conforme eu fui me descobrindo como mulher negra, fui me descobrindo também na cidade, e percebia que muitas vezes eu era a única pessoa preta nesses espaços”, conta a cientista social Raíssa Albano, integrante do coletivo.

“Que processos se deram que fizeram com que essa população não esteja ali, que apagaram essas memórias?“, questiona. Para quem quer conhecer o trabalho do grupo, já nesse sábado (26) há uma edição da Volta Negra.

Um segundo percurso passará por pontos e regiões relevantes para a população LGBTQI+, abordando discriminação e apropriação da cidade. “A caminhada toda tem uma perspectiva crítica, a ideia é que a gente pare em alguns momentos para discutir mesmo“, explica o cientista social Bruno Puccinelli, que estudou as relações entre sexualidade e espaço urbano em suas pesquisas de mestrado e doutorado.

“Devemos partir da praça da República, pensando a presença histórica e atual de travestis, mulheres trans e homens cis que se prostituem, bem como o assassinato de Edson Neri da Silva em 2000 e o Museu da Diversidade; passar pela avenida São Luís — a galeria Metrópole foi um ponto de encontro importante, em especial nos anos 1980; ir até o Copan, que já foi marcado pela presença de moradoras trans; passar por um bloco de ruas que sempre foi de prostituição e moradia, mas isso tem mudado agora rapidamente por causa do processo imobiliário; passar por uma casa noturna que não existe mais para falar da Andréa de Mayo; e terminar no largo do Arouche, para discutir as disputas que estão rolando ali. O roteiro atravessa as camadas históricas desde a década de 1950, mas dialogando com o presente o tempo todo”, explica ele.

Já a caminhada organizada pela União Nacional de Trabalhadoras e Trabalhadores Camelôs, Ambulantes e Feirantes do Brasil (Unicab) irá pensar a relação dos espaços públicos com quem atua na economia informal. Nascida como um “legado da Copa” [do Mundo de 2014], conta a pesquisadora Maíra Vanucchi, a fim de atentar a processos de higienização urbana do período, a organização atua em prol de uma política nacional que não criminalize os ambulantes.

Vamos passar pelos imigrantes africanos na rua Barão de Itapetininga, atravessar o Viaduto do Chá, descer a avenida Líbero Badaró e a ladeira Porto Geral até a praça Fernando Costa. Passar por vendedores de frutas, meias, tecidos. Gente que coloca as coisas na calçada e os mais estruturados, para ter uma boa noção das categorias de trabalho que existem nesse setor”, explica Maíra.

Pela tarde do mesmo dia, haverá uma oficina para refletir, a partir das percepções das caminhadas, sobre a experiência de diferentes grupos sociais na região central, bem como uma conversa com convidados de outros países da América Latina.

O evento é uma parceria com as plataformas Habitat International Coalition – América Latina e Global Platform for the Right to the City, além dos já citados Unicab e Cartografia Negra. Todos os roteiros são gratuitos, e para se inscrever é necessário acessar preencher um formulário nesse link.

LEIA MAIS:
Guia mapeia experiência negra em SP para falar de direito à cidade
Moradores da ZS têm mais dificuldade de acessar locais da rotina a pé
UOL TAB – A casa caiu

]]>
0
Cidade para se exercitar (ou levando a brincadeira a sério) http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/10/17/cidade-para-se-exercitar-ou-levando-a-brincadeira-a-serio/ http://spape.blogosfera.uol.com.br/2019/10/17/cidade-para-se-exercitar-ou-levando-a-brincadeira-a-serio/#respond Thu, 17 Oct 2019 15:00:27 +0000 http://spape.blogosfera.uol.com.br/?p=1861

Arte: MZK (mzk68.tumblr.com)

Uma das memórias mais vivas que a educadora física Thaís Moura tem daquilo que inspira sua trajetória, sua forma de trabalhar, está relacionada a uma tática que envolve lazer, cidade e relações comunitárias. Foi na segunda metade da década de 1980, quando era criança em Indaiatuba, interior de São Paulo, que viu seu pai usar partes de um avião teco-teco caído na região para construir a primeira bicicleta de seu irmão, e angariar uma turma para a transformação de um terreno vazio do bairro onde moravam em uma pista de bicicross. Começava ali a brincadeira.

“Juntou todo mundo com pá, carriola e eles fizeram um primeiro circuito”, conta. Já praticando há um tempinho, essa turma quis participar de uma competição em São Paulo. A mãe de Thaís pediu um ônibus para a prefeitura da cidade, e lá foram eles. “Brincando eles ficaram bons: tudo que se poderia imaginar eles ganharam. A Caloi viu a performance e meu irmão ganhou patrocínio da marca. Então isso definitivamente é uma permanência na minha história: levar a sério a brincadeira”, diz, enquanto conversamos embaixo de um pé de uva japonesa no lado externo da Biblioteca Mário de Andrade, na região central da cidade.

Fotos da construção do circuito ao prêmio, com Thaís ainda bebê. Crédito: Arquivo Pessoal

Localizar onde a conversa ocorre não é mero detalhe ilustrativo: o território, o contexto, tudo isso importa na atuação de Thaís. Ela é treinadora pessoal há catorze anos, após ter trabalhado em escolas — formada pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas, a educadora vê como fundamental tanto a base pedagógica quanto prática recebida ali. No seu método, a cidade tem relevância enorme: é muitas vezes ao ar livre, usando o que está disponível no entorno, que Thaís dá aulas.

“Se for transportar essa história da brincadeira levada a sério para agora: dar aula em uma praça, aqui. Por onde começar? O que fazer? O que você quer? A gente arruma como fazer. O padrão de uma academia de musculação, que se aproxima mais do protocolo de pesquisa do que do viver, tem a sua especificidade, um efeito reconhecido, mas você tem uma outra infinidade de coisas para fazer que tem um sentido”, diz ela.

Nessa infinidade de possibilidades que a rua oferece, cabe um circuito de praças na região da República, por exemplo. Ou abdominais no parquinho do lado de casa ao som de Pepeu Gomes.

“Que exercício vai fazer efeito? Aquele que você gosta, porque o que você não gosta vai fazer de qualquer jeito, ou então a vida vai ficar muito miserável. E isso não é fazer só o que quer: entre fazer só o que quer e só o que não quer tem um espação”, diz ela, dando exemplos de alunos como uma criança de nove anos que, após um dia mais complicado na escola, quis conversar um pouco olhando a lua em vez de se exercitar, ou uma senhora que busca atividades para que ela consiga ter mais autonomia e segurança ao brincar com a neta.

“É uma proximidade para poder negociar que não é dar mole, mas dar o espaço, a voz e a hora que todo mundo precisa ter. Isso de construir junto foi algo que a faculdade e a vida me deram. Se não tiver essa porosidade, não consigo fazer. Junta isso ao diagnóstico do ambiente e do que cada um tem à disposição“, conta, explicando um pouco como trabalha, antes de a gente sair em uma pequena caminhada por ali.

A educadora andando de bike na infância. Foto: Arquivo Pessoal

Um projeto em aberto
Considerar a cidade toda como espaço para exercitar não elimina — pelo contrário, estimula — uma visão crítica de onde a gente vive: calçadas melhores, distribuição mais igualitária de parques e infraestrutura para a prática esportiva, menos desigualdade social, racial, de gênero. Na porosidade citada por Thaís, pensar a ideia de um ser urbano ativo envolve pensar a cidade como um todo. Quais as possibilidades, contextos e questões das diversas populações paulistanas envolvendo atividades físicas?

Todo lugar onde houver alguém que consiga estimular um programa com movimento e uma participação que não seja seletiva, mesmo que o entorno não ofereça tudo que poderia, é praticável. Pode sim, e acho ótimo, ser um mediador para ver a cidade de outro jeito: a cidade que não é só passagem, que não é só perigosa. Pela iniciativa das pessoas, o céu é o limite. O que se esperaria da política pública é que isso tudo já fosse adiantado e convidativo ao uso.

Uma pesquisa feita nesse ano pela Rede Nossa São Paulo em parceria com o Ibope acerca da prática de esportes na cidade apontou que o perfil de sedentários — tendo como referência definições de sedentarismo da Organização Mundial de Saúde (OMS) — é maior entre: mulheres (62)%; classe C (61%); população negra (51%); com renda familiar de até dois salários mínimos (50%); com Ensino Fundamental (39%); idosos (36%); moradores da zona leste (34%). Falta de tempo é o principal motivo (39%); seguido de problemas financeiros (24%); preguiça e ou desmotivação (20%); problemas de saúde (18%); ausência de infraestrutura próxima de casa ou do trabalho (13%); falta de afinidade com atividades físicas (12%); de companhia (9%); e idade (6%).

“Subir a escada rolante em vez da mecânica, por exemplo, nem sempre é escolha, mas condição de alguém já exausto. Se horizontalizado o espaço social, daí as pessoas podem fazer escolhas: quando há uma praça iluminada, emprego bem remunerado. Então eu saio cedo do trabalho e vou fazer meu exercício, pago a academia que eu quiser, faço uma alimentação saudável”, diz Thaís, ajudando a refletir sobre os dados.

“Meu orientador [a educadora participa de um grupo de estudos na Faculdade de Medicina da USP, em preparação para o mestrado] diz que a saúde não é um estado, como fala a OMS, mas um projeto em aberto. Se você só considera a saúde um estado, e não o contexto em que a pessoa vive, está só entregando um peso para ela carregar“, resume.

Para conhecer mais o trabalho da educadora: metodothaismoura.com.

LEIA MAIS:
Você sabe o que são “ruas de lazer”?
Quantas áreas verdes de São Paulo você conhece?
Grupo divulga piscina do Pacaembu como espaço público

]]>
0