Blog SP a Pé

Topo
Blog SP a Pé

Blog SP a Pé

Categorias

Histórico

Caminhar pelo centro de São Paulo para discutir direito à cidade

Adriana Terra

23/10/2019 10h59

Arte: Instituto Pólis

Na manhã do próximo dia 31 de outubro, quinta-feira, ocorrem em São Paulo três caminhadas organizadas pela ONG Instituto Pólis para falar sobre direito ao espaço urbano. Os trajetos percorrem a região central, então é uma oportunidade para refletir sobre os desafios para uma cidade mais igualitária e também sobre o que entendemos como centro, o que essa localização simboliza e quais são os interesses que a envolvem ao longo da história.

São roteiros pensados por grupos que atuam em diferentes frentes. Há uma caminhada com o coletivo Cartografia Negra, atuante desde 2017, propondo uma reflexão sobre a vivência da população negra na cidade.

"Eu sempre gostei de andar muito pelo centro, de ir a museus e cinemas, que estão mais concentrados nessa área, e conforme eu fui me descobrindo como mulher negra, fui me descobrindo também na cidade, e percebia que muitas vezes eu era a única pessoa preta nesses espaços", conta a cientista social Raíssa Albano, integrante do coletivo.

"Que processos se deram que fizeram com que essa população não esteja ali, que apagaram essas memórias?", questiona. Para quem quer conhecer o trabalho do grupo, já nesse sábado (26) há uma edição da Volta Negra.

Um segundo percurso passará por pontos e regiões relevantes para a população LGBTQI+, abordando discriminação e apropriação da cidade. "A caminhada toda tem uma perspectiva crítica, a ideia é que a gente pare em alguns momentos para discutir mesmo", explica o cientista social Bruno Puccinelli, que estudou as relações entre sexualidade e espaço urbano em suas pesquisas de mestrado e doutorado.

"Devemos partir da praça da República, pensando a presença histórica e atual de travestis, mulheres trans e homens cis que se prostituem, bem como o assassinato de Edson Neri da Silva em 2000 e o Museu da Diversidade; passar pela avenida São Luís — a galeria Metrópole foi um ponto de encontro importante, em especial nos anos 1980; ir até o Copan, que já foi marcado pela presença de moradoras trans; passar por um bloco de ruas que sempre foi de prostituição e moradia, mas isso tem mudado agora rapidamente por causa do processo imobiliário; passar por uma casa noturna que não existe mais para falar da Andréa de Mayo; e terminar no largo do Arouche, para discutir as disputas que estão rolando ali. O roteiro atravessa as camadas históricas desde a década de 1950, mas dialogando com o presente o tempo todo", explica ele.

Já a caminhada organizada pela União Nacional de Trabalhadoras e Trabalhadores Camelôs, Ambulantes e Feirantes do Brasil (Unicab) irá pensar a relação dos espaços públicos com quem atua na economia informal. Nascida como um "legado da Copa" [do Mundo de 2014], conta a pesquisadora Maíra Vanucchi, a fim de atentar a processos de higienização urbana do período, a organização atua em prol de uma política nacional que não criminalize os ambulantes.

"Vamos passar pelos imigrantes africanos na rua Barão de Itapetininga, atravessar o Viaduto do Chá, descer a avenida Líbero Badaró e a ladeira Porto Geral até a praça Fernando Costa. Passar por vendedores de frutas, meias, tecidos. Gente que coloca as coisas na calçada e os mais estruturados, para ter uma boa noção das categorias de trabalho que existem nesse setor", explica Maíra.

Pela tarde do mesmo dia, haverá uma oficina para refletir, a partir das percepções das caminhadas, sobre a experiência de diferentes grupos sociais na região central, bem como uma conversa com convidados de outros países da América Latina.

O evento é uma parceria com as plataformas Habitat International Coalition – América Latina e Global Platform for the Right to the City, além dos já citados Unicab e Cartografia Negra. Todos os roteiros são gratuitos, e para se inscrever é necessário acessar preencher um formulário nesse link.

LEIA MAIS:
Guia mapeia experiência negra em SP para falar de direito à cidade
Moradores da ZS têm mais dificuldade de acessar locais da rotina a pé
UOL TAB – A casa caiu

Sobre a autora

Adriana Terra é jornalista e gosta de escrever sobre a cidade e sobre cultura. É co-criadora da série “Pequenos Picos”, mapeamento afetivo de comércios de bairro da capital paulista, e mestranda em Estudos Culturais na EACH-USP, onde pesquisa lugares e modos de vida. Foi criada em Caieiras e há 15 anos vive no centro de São Paulo. Na zona noroeste ou na Bela Vista, sempre que dá, prefere ir caminhando.

Sobre o blog

Dicas de lugares, roteiros, curiosidades sobre bairros, entrevistas com personagens da cidade, um pouquinho de arquitetura e mais experiências em São Paulo do ponto de vista de quem caminha.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog SP a Pé