Blog SP a Pé

Categorias

Histórico

Projeto documental sobre vilas operárias de SP discute afeto e patrimônio

Adriana Terra

28/05/2018 11h23

Na Vila Maria Zélia, a manicure Rita diz que ali o tempo corre de outra forma. “É como se eu estivesse em Minas”. Não muito longe, na Vila Cerealina, Zelinda tira o acordeon da caixa e se emociona ao dedilhar as notas, contando que “não aprendeu a ler música, mas aprendeu a tocar”. Do outro lado da cidade, em Perus, um morador da Vila Triângulo fala sobre as reivindicações nos anos 1960 em uma “fábrica bruta” onde “se comia pó”, e sobre o alento do bom convívio entre funcionários.

Esses fragmentos conectam histórias surgidas no interior de vilas operárias paulistanas, lugares onde se morava, trabalhava e vivia, retratadas no projeto Entrevilas. O webdocumentário que acaba de ser lançado foi feito ao longo de três meses por profissionais de diversas áreas — jornalistas, designers, arquitetos, historiadores e fotógrafos — em uma produção em parceria do Estúdio Crua com o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc.

“Eu e a Marcia [Mansur] fizemos um projeto chamado ‘Som dos Sinos’, de patrimônio e novas mídias, que ganhou vários prêmios, e daí veio a demanda por cursos sobre narrativas transmídia”, conta Marina Thomé, do Crua. Após iniciativas de webdocs realizados durante hackatons, veio a vontade de desenvolver algo mais longo. “Fizemos um chamado aberto e fechamos um grupo multidisciplinar de 17 pessoas”.

Abordando origem e destino de 5 vilas (Maria Zélia e Cerealina, na zona leste; Economizadora e Itororó, na região central; e Triângulo, na zona noroeste), o projeto fala sobre patrimônio, lutas trabalhistas, afeto, criando uma espécie de vila imaginária interativa. No site, um mapa mostra a localização delas, dos rios e das antigas ferrovias na cidade. Conta a história de cada espaço, a qual fábrica pertencia. Traz reflexões sobre arquitetura, ocupação dos lugares,  trabalho e direito à cidade, mostrando que a história não se faz só na preservação de edificações, mas nas trajetórias de quem passou por ali — e também na experiência e significação dos novos moradores.

“Quais os personagens envolvidos neste processo? Engenheiros, empreiteiros, operários, imigrantes e migrantes que construíram o ambiente não são mais importantes que os moradores e habitantes que convivem e desconhecem o passado do ambiente. Afinal de contas, qual o sentido de um sítio histórico se sua trajetória não pode ser identificada e propagada?”

Na vila da fábrica de cimento em Perus, ficamos sabendo mais sobre a greve dos queixadas e tomamos conhecimento do movimento pela reapropriação do local para criação de um centro de lazer, uma universidade livre e um instituto de pesquisa, tudo destinado aos moradores de uma região periférica da cidade. Já na central Vila Itororó, na Bela Vista, é discutido o uso público por meio de um projeto que administrava o lugar até março, após a desapropriação do local como moradia. Na Vila Economizadora, acompanhamos o relato de uma trabalhadora paraguaia que hoje vive ali.

“A ideia do webdoc é ser uma ferramenta também de mobilização social, gerar conversa sobre a cidade”, diz Marina.

Quer conhecer as vilas? Vilas Cerealina (entre as ruas Fernandes Vieira, Herval, Álvaro Ramos, e Júlio de Castilhos) e Maria Zélia ficam a 30 minutos de caminhada uma da outra e o passeio é uma forma de conhecer mais o bairro do Belém. Da Vila Itororó (é fechada; vale consultar o site para saber sobre os horários de abertura) até a Economizadora, o trajeto a pé dura em torno de uma hora pela av. da Liberdade, Sé, Rua Cantareira e região do Mercadão. Em Perus, não é possível conhecer a vila, mas é possível se informar sobre o movimento que envolve sua resignificação por aqui.

Para ver o projeto e se inspirar, acesse: www.entrevilasdoc.com.br

Sobre a autora

Adriana Terra é jornalista e gosta de escrever sobre a cidade e sobre cultura. É co-criadora da série “Pequenos Picos”, mapeamento afetivo de comércios de bairro da capital paulista, e mestranda em Estudos Culturais na EACH-USP, onde pesquisa lugares e modos de vida. Foi criada em Caieiras e há 15 anos vive no centro de São Paulo. Na zona noroeste ou na Bela Vista, sempre que dá, prefere ir caminhando.

Sobre o blog

Dicas de lugares, roteiros, curiosidades sobre bairros, entrevistas com personagens da cidade, um pouquinho de arquitetura e mais experiências em São Paulo do ponto de vista de quem caminha.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog SP a Pé
Blog SP a Pé
Blog SP a Pé
Blog SP a Pé
Blog SP a Pé
Topo